terça-feira, 3 de novembro de 2015

RESENHA: O REI DEMÔNIO


Título: O Rei Demônio
Série: Os Sete Reinos #1
Páginas: 384
Autor (a): Cinda Williams Chima
Editora: Suma de Letras (2014)

Sinopse: 
O jovem ladrão reformado Han Alister é capaz de quase qualquer coisa para garantir o sustento da mãe e da irmã, Mari. Ironicamente, a única coisa valiosa que ele possui não pode ser vendida: largos braceletes de prata, marcados com runas, adornam seus pulsos desde que nasceu. São claramente enfeitiçados — cresceram conforme ele crescia, e o rapaz nunca conseguiu tirá-los.

Enquanto isso, Raissa ana’Marianna, princesa herdeira de Torres, enfrenta suas próprias batalhas. Ela poderá se casar ao completar 16 anos, mas ela não está muito interessada em trocar essa liberdade por aulas de etiqueta e bailes esnobes. Almeja ser mais que um enfeite, ela aspira ser como Hanalea, a lendária rainha guerreira que matou o Rei Demônio e salvou o mundo.


Começando o mês com resenha nova! O livro a ser resenhado hoje é O Rei Demônio, da autora Cinda Williams Chima.




Hanson Alister, um garoto de 16 anos e residente de Feira dos Trapilhos, vive uma vida difícil, onde faz o que for preciso para garantir o sustento da mãe e da irmã Mari, por quem ele tem um amor inabalável. O garoto possui um par de pulseiras de prata com runas entalhadas presas em seus braços.

Certo dia, enquanto coleta raízes e caça com seu amigo Dançarino de Fogo, os caminhos de Han e Micah Bayar se cruzam. Micah é filho do Grão Mago, um homem muito poderoso e ambicioso que tem certa influência sobre a
 rainha.

Micah é o responsável por começar um incêndio na floresta, fato esse que afastou todos os cervos que os amigos caçavam, fazendo com que Han e Dançarino se colocassem em seu caminho. Após ameaças e tentativas de enfeitiçar os garotos, Micah é rendido e tem o amuleto que usa para fazer feitiços confiscado por Han, que fica fascinado com a peça. O filho do Grão Mago, mesmo sem seu "faz-feitiço", ameaça os garotos e segue seu rumo.


"Fique longe dos magos", era o que a mãe sempre dizia. "Você não quer ser notado por gente desse tipo. Chegue perto demais, e você pode acabar queimado vivo o transformado em algo imundo e profano. Gente comum é como poeira nas botas deles."


Do outro lado, conhecemos Raisa, a princesa-herdeira de Fells, que precisa novamente se acostumar a vida na corte após uma temporada no Campo Demonai, local de nascimento de seu pai, o consorte real.

Raisa deseja, assim que assumir o trono, governar do mesmo modo que Hanalea, a lendária rainha guerreira que derrotou o Rei Demônio e trouxe paz para o reino de Fells.

Prestes a atingir a maioridade, Raisa vive um dilema: a rainha Marianna, mãe de Raisa, está desesperada para que a filha se case. Por outro lado, a princesa não quer se casar tão cedo e não liga para o que pensem dela. Raisa deseja viver a vida, conhecer outros lugares e ajudar seu povo. Um casamento precoce não está em seus planos.

Caminhos se cruzarão, traições virão à tona e segredos e mais segredos serão revelados no decorrer da história.

Cinda Williams Chima é uma autora com extremo potencial. Detalha nas partes certas, deixa a dúvida no ar por algum tempo e logo depois explica tudo de uma maneira frenética, fato esse que prende o leitor na sua história.

O worldbuilding criado por Cinda é muito bom, mas pouco explorado nesse primeiro livro, focando apenas nos campos dos clãs e na cidade de Fellsmarch. Sim, Cinda cita alguns outros lugares, mas não estende a explicação sobre eles.


A história é sempre narrada em terceira pessoa, mostrando em cada capítulo os pontos de vista de Han ou Raisa. Podemos notar na narrativa da autora uma certa preferência por detalhamentos físicos e psicológicos dos personagens.

A magia é presente, mas pouco explorada ou usada nesse primeiro volume da série, o que eu acho ter sido um erro da autora, já que o foco principal é na magia. Tudo o que sabemos é: existem dois tipos de magia (a magia usada pelos clãs e a magia usada pelos magos); os magos precisam de amuletos que são confeccionados pelos clãs para armazenar sua magia e etc.

Os personagens foram bem criados e inseridos. Podemos notar o desenvolvimento de cada um deles. Só acho que a autora inseriu personagens demais (alguns que nem tão importantes eram), o que ficou meio complicado, pois são muitos nomes que surgem, somem e voltam no decorrer da trama.

Não foi um livro que me prendeu de começo. A história melhora a partir do meio e é encerrada de um jeito que te deixa curioso para saber o que acontece a seguir. Creio que me agradará mais nos próximos volumes.

A revisão está boa. Notei somente alguns erros que passariam despercebidos se eu não estivesse tão traumatizado com revisão. Acho que a editora poderia melhorar no fato de colocar os pensamentos dos personagens entres aspas e escritos em itálico, pois facilita muito o entendimento.

A capa é muito bonita e a diagramação muito bem feita. A edição vem com um mapa interno que também é extremamente bem feito.

Avaliação:

  • O Rei Demônio - #1
  • A Rainha Exilada - #2
  • O Trono do Lobo Gris -#3
  • A Coroa Escarlate - #4



8 comentários:

  1. Olá Phelipe!
    A premissa é interessante, parece que os personagens irão se encontrar em dado momento. Vou continuar acompanhando para saber o que acontece no segundo livro ;)
    Bjs
    EntreLinhas Fantásticas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Thalita!
      Sim, a premissa é bem interessante e a história tem tudo pra melhorar no 2º livro. Só acho que faltaram partes de ação e algumas explicações, mas de resto é até agradável de ler.

      Beijão!

      Excluir
  2. Esse livro já é bem conhecido por mim, apesar de eu nunca te-lo lido rsrs Mas sempre quando vou fazer uma compra os sites insistem em coloca-lo na lista de sugeridos. Mas nunca tive vontade de le-lo...

    Parabéns pela resenha, bem detalhada e tals

    Blog Decidindo-se \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existem inúmeros livros muito melhores que esse, Vinicius. Aconselho que deixe esse pra alguma hora que não tiver nada mais interessante para ler. A leitura é até agradável, mas deixa a desejar em diversos pontos.

      Bem vindo ao blog! Volte sempre por aqui!

      Excluir
  3. Ois Phelipe,

    Pelo que vejo tem potencial mas podia ter sido explorado bem melhor, pode ser que aconteça nos livros seguintes :)

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, tem muito potencial, Fiacha. Só acho que a autora focou bastante no "Tell" e deixou faltar o "Show". Sem contar que tem muitas lacunas de informações que necessitam ser preenchidas, mas julgando em um todo, foi uma leitura até que agradável.

      Abraços!

      Excluir
  4. Fala, Phelipe! Primeira vez que leio uma resenha desse livro e fiquei interessado em ler ele. Tenho um trauma quando uma história têm muitos personagens desnecessários, o que dá certa impaciência em mim. A premissa do livro é bacana, e gostei da sua resenha. Já vai para a lista de leitura de 2016 rs.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Allenylson, personagens desnecessários também me causam impaciência hauhauhauauh.
      A história tem tudo pra melhorar nos livros seguintes. Lerei os próximos, mas não imediatamente.

      Abraços!

      Excluir