domingo, 19 de junho de 2016

RESENHA: ESPADA E DEVER

Título: Espada e Dever
Páginas: 104
Autor (a): Peterson Rodrigues

Sinopse: Thystium é um mundo que possui os mais diversos perigos. Os inimigos atacam nas montanhas, rios, planícies e florestas. Para fazer frente a essas ameaças, o mundo possui poderosos heróis. Determinados em proteger quem não pode fazer isso por si próprio e nessa luta, os espadachins de Benvähn se destacam. Gavril é um destes guerreiros honrados e nobres, porém carrega uma maldição que corrói seu corpo. Em busca da cura para seu sofrimento, o espadachim se juntará à serva dos deuses estelares Flayfh Merien. Juntos, os dois viajarão através das planícies e do misterioso sul, enfrentando inimigos alienígenas e profanos até o confronto derradeiro contra o misterioso Feiticeiro Azulado. 

Meu primeiro contato com alguma obra do escritor/embaixador do Wattpad Peterson Rodrigues foi em Espada e Dever. Além de Espada e Dever, Peterson também é o autor de Thystium: Quando a Magia Esgota, que foi lançado no ano passado.

*Espada e Dever não é a continuação de Quando a Magia Esgota, mas se passa no mesmo universo.

Vamos à resenha!

Há algum tempo, Gavriel, um espadachim da ordem Benvähn, estava em missão com seus companheiros e seu mestre. Os espadachins foram pegos em uma emboscada armada por criaturas semelhantes a ratos humanóides que possuem a habilidade da invisibilidade. Liderados por um feiticeiros, as criaturas levaram a melhor. Somente Gavriel e seu mestre sobreviveram.

Tempos depois, Gavriel está retornando para o templo Benvähn onde fora criado e treinado. O espadachim está em busca de novas técnicas de combate para vingar seus companheiros.

Após o treinamento, Gavriel parte sem rumo à procura das criaturas. Em sua empreitada, ele conhece Flayfh, uma clériga dos Dez Deuses que, por decisão divina, acompanha o espadachim em sua viagem.

Por se tratar de um livro curto eu decidi parar por aqui, evitando possíveis spoilers.


Os personagens que nos são apresentados em Espada e Dever são muito bem construídos. Ao longo da narrativa, podemos perceber um desenvolvimento mínimo em cada um deles. O maior destaque do livro é Flayfh, a clériga. Ela pode não ser a personagem principal, mas foi a que mais me chamou a atenção. Peterson teve todo o cuidado de criar um personagem do sexo feminino com uma personalidade fortíssima e que não se prende aos estereótipos que vemos por aí.

A narrativa em terceira pessoa se alterna sob os pontos de vista de Gavriel e Flayfh. Gostei bastante da escrita do Peterson e da forma como ele construiu a narrativa. Foi uma leitura muito agradável e que fluiu maravilhosamente bem.

O sistema de magia criado por Peterson é bem curioso. Em Thystium, a utilização de habilidades mágicas tem um preço: a magia consome a força vital do usuário. Quanto mais a magia é utilizada, mais debilitado o usuário se torna e, em casos de excesso, a morte é certeira. Esse sistema de magia é mais bem explicado no primeiro livro (que eu estou devendo a leitura).

Senti falta de um maior detalhamento dos cenários por onde os viajantes passavam. É um ponto a ser observado para as futuras obras do escritor.

Avaliação:



2 comentários:

  1. Thystium está na lista de desejados há um tempinho. Achava que Espada fosse continuação. Que bom que não é.
    Quero ler esse também.
    Muito interessante o sistema de magia criado!
    Li vários elogios sobre a escrita do Peterson. Tenho que conferir logo.
    Vamos ver se consigo encaixar um livro dele nas minhas leituras!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ler, Jaqueline. A escrita do Peterson é super agradável!

      Um forte abraço!

      Excluir